ACINFAZ

Novos horizontes em 2017

[vc_row][vc_column][vc_custom_heading text=”Chegou o novo ano. O que passou, foi marcado por vários acontecimentos e muitos o julgaram como um ano ruim. Agora, 2017 começa com a esperança de dias melhores. Será?” font_container=”tag:h5|font_size:17|text_align:justify” use_theme_fonts=”yes”][vc_single_image image=”5753″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_column_text]

Um novo ano começa e com ele, como de praxe, surgem inúmeras expectativas do que vem pela frente. As pessoas têm anseios e dúvidas sobre os rumos da vida particular, profissional e empresarial, ao mesmo tempo em que uma nova história começa a ser construída.

De um modo geral, 2016 se apresentou como um ano bastante conturbado no que se refere, principalmente, a aspectos políticos e econômicos. Se essa matéria fosse uma retrospectiva, certamente o espaço seria insuficiente para destacar seus diversos acontecimentos. É claro que não dá para declarar que o ano que passou foi péssimo ou o pior de todos, afinal, como diz o ditado, “cada cabeça, uma sentença”. Mas que foi um período de bastante surpresas, isso não há quem negue.

Agora, em 2017, as opiniões sobre o que está por vir ficam divididas. Alguns são otimistas e esperam dias melhores, recheados de soluções e calmarias para os problemas do Brasil. Outros, não tão confiantes assim, pensam que o ideal é tomar fôlego e ter ainda mais força para encarar os próximos doze meses.

Para saber o que os empresários estão esperando deste ano, conversamos com cinco membros da diretoria da Associação Comercial e Industrial de Fazenda Rio Grande (ACINFAZ). A pergunta feita foi: o que você espera de 2017 como cidadão, empresário e membro da entidade? Nas respostas, cada um assume uma postura própria, mas todos são unânimes quando o assunto é política e economia: os problemas do primeiro interferem diretamente nas questões do segundo e, nesse sentido, algo precisa ser feito para que o país volte a prosperar.

[/vc_column_text][rd_line color=”#e0e0e0″ line_pos=”center”][vc_column_text]

Diego Barbosa
Contabilidade Iguaçu
Conselheiro deliberativo da ACINFAZ

O jovem Diego Barbosa, da Contabilidade Iguaçu, em Fazenda Rio Grande, comenta que prefere sonhar alto e traçar metas, ao invés de criar expectativas que, muitas vezes, geram frustrações. “Procuro fazer minha parte perante a sociedade de maneira digna, honesta e humana, pois estas foram as lições que aprendi dentro de casa e gostaria de contribuir com todos que estão a minha volta”, declara. Assim como grande parte do empresariado, ele espera que a atual situação econômica e política brasileira se restabeleça e que este ano seja produtivo para todos os segmentos. “Por atuar na contabilidade e manter uma frequente relação com nossos clientes, fi ca fácil observar que o ano de 2016 não foi dos melhores. Acredito que 2017 seja um ano de mudanças e espero que as atividades empresariais retomem suas forças para que o mercado volte a respirar e crescer”. Diego é também conselheiro deliberativo da ACINFAZ. Como membro da entidade, ele acredita que o novo ano será promissor: “Mudanças irão acontecer e a cidade ganhará forças. A nova gestão está se unindo, é percebível que, assim como eu, todos estão focados em contribuir com o desenvolvimento da casa e do município”.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”5757″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_custom_heading text=”Diego Barbosa” font_container=”tag:h5|font_size:14|text_align:center|color:%23999999″ google_fonts=”font_family:Ubuntu%3A300%2C300italic%2Cregular%2Citalic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic|font_style:400%20regular%3A400%3Anormal” css=”.vc_custom_1515073354160{margin-top: -30px !important;}”][rd_line color=”#e0e0e0″ line_pos=”center”][vc_column_text]Amarildo Boiko
Eurovetro Vidros Especiais
Diretor financeiro adjunto da ACINFAZ

Amarildo Boiko é um empresário do setor industrial. Ele espera que em 2017 o Brasil alcance um novo contexto político. “Eu espero, com esta onda da operação Lava Jato, que o país seja passado a limpo e que a gente consiga criar uma nova imagem, porque hoje nós estamos com todos os poderes em xeque: Executivo, Legislativo e Judiciário”, opina. Para o empresário, os problemas políticos interferem diretamente no setor produtivo nacional. Ele deseja que o cenário mude, de modo que as empresas sintam-se seguras para voltar a investir. “Minha expectativa é que os problemas públicos se resolvam com a maior brevidade possível, para voltar a investir e a gerar os empregos que foram perdidos”. Enquanto diretor financeiro adjunto, Amarildo Boiko pretende que os momentos de debate e ações da ACINFAZ tenham reflexos positivos, a fim de tornar possível realizar a ideia da atual gestão, de pensar o futuro de Fazenda Rio Grande a longo prazo. “Que possamos realmente executar esses projetos e fazer com que se tornem uma realidade para nós dentro dessa gestão, servindo também de alicerce para as gestões que estão por vir”, conclui.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”5755″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_custom_heading text=”Amarildo Boiko” font_container=”tag:h5|font_size:14|text_align:center|color:%23999999″ google_fonts=”font_family:Ubuntu%3A300%2C300italic%2Cregular%2Citalic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic|font_style:400%20regular%3A400%3Anormal” css=”.vc_custom_1515073721568{margin-top: -30px !important;}”][rd_line color=”#e0e0e0″ line_pos=”center”][vc_column_text]

Ferdinando Ércoli
Cobércoli Materiais de Construção
Diretor de comércio da ACINFAZ

O empresário do ramo de materiais de Ércoli, tem esperança de dias melhores. “Já tivemos dois anos com dificuldades esteja no fim, essa dificuldade econômica gerada pela crise política”, opina. “Como empresário, eu acho que a tendência é melhorar. Não somos só nós que estamos pagando o pato. O próprio governo também está, porque caiu a arrecadação e, consequentemente, eles ficam limitados. Todos sofrem com isso”, aponta. Para ele, as melhorias no cenário político e econômico do Brasil deverão aparecer ainda no primeiro semestre: “O governo está anunciando algumas medidas exatamente para estimular novamente o comércio, a indústria, e fomentar o crédito. Eu acho que em 2017, talvez não no primeiro mês, mas a partir do terceiro em diante, as coisas devem se encaminhar para o melhor”. Para a ACINFAZ, Ferdinando Ércoli acredita que este ano será ótimo. “Tendo à frente o dinamismo do atual presidente, Gastão Gonchorovski, eu acho que todos vão ganhar e a entidade ainda mais, porque está sendo muito bem projetada. Com o Fazenda Rio Grande 2050, que teve a discussão iniciada em minha gestão, eu acho que essa administração tem tudo para ser marcada pelo sucesso e ficar na história”.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”5758″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_custom_heading text=”Ferdinando Ércoli” font_container=”tag:h5|font_size:14|text_align:center|color:%23999999″ google_fonts=”font_family:Ubuntu%3A300%2C300italic%2Cregular%2Citalic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic|font_style:400%20regular%3A400%3Anormal” css=”.vc_custom_1515073789718{margin-top: -30px !important;}”][rd_line color=”#e0e0e0″ line_pos=”center”][vc_column_text]Lucelia Lecheta
Lecheta Contabilidade
Diretora de serviços da ACINFAZ

“Eu acho que os nossos desafios para 2017 são muito grandes”, afirma a contadora Lucelia Lecheta. “Como cidadã, eu espero que a gente continue tendo apoio às medidas contra a corrupção e que o juiz Sergio Moro continue conseguindo fazer o trabalho dele”, completa. Para ela, a população passará por um processo doloroso e necessário, para que se torne possível construir um futuro melhor para as próximas gerações. Lucelia lamenta, mas acredita que, por questões políticas, o ano será bastante conturbado economicamente falando. “É preciso que as empresas se organizem, procurem as suas contabilidades ou consultorias e se organizem em termos de custo e de produtividade. Que não gastem recursos desnecessários e aproveitem bem a sua mão de obra e matéria-prima, porque devemos ter ainda um ano difícil, principalmente em função do momento político que, infelizmente, afeta a nossa economia”, comenta. Entretanto, ela é otimista ao afirmar que é na adversidade que se cresce. A diretora de serviços da ACINFAZ considera que a entidade poderá enfrentar desafios no ano recém-chegado. “Porém, eu acho que quanto maior o desafio, maior a oportunidade. Esse deve ser o nosso lema para 2017”, pondera.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”5759″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_custom_heading text=”Lucelia Lecheta” font_container=”tag:h5|font_size:14|text_align:center|color:%23999999″ google_fonts=”font_family:Ubuntu%3A300%2C300italic%2Cregular%2Citalic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic|font_style:400%20regular%3A400%3Anormal” css=”.vc_custom_1515073853660{margin-top: -30px !important;}”][rd_line color=”#e0e0e0″ line_pos=”center”][vc_column_text]

Conrado Cesar Carelli
Gióca Indústria e Comércio
Diretor secretário da ACINFAZ

Conrado Carelli, da Gióca, acredita que 2017 será um ano decisivo devido ao difícil momento econômico e político em que se encontra o Brasil. “Quase todos os partidos políticos estão envolvidos em um sistema que há muitos anos vigora. Agora, nós temos a chance de mudar, então será um grande teste para a democracia”, diz. Ele está ansioso para saber o rumo que o país tomará, mas ainda tem dúvidas quanto ao contexto político desse ano. Para Carelli, a economia tem sofrido com as consequências do que ocorre na política nacional. “Será um ano turbulento. Com as últimas denúncias, o governo se enfraqueceu e agora precisa ter forças para aprovar algumas medidas que são bem impopulares, apesar de serem necessárias, no meu ponto de vista”, declara. Ele acredita que a maioria dos empresários ainda não voltou a ter confiança o sufi ciente para investir na economia: “Talvez a partir do segundo semestre será possível notar alguma melhora”. Como diretor secretário da ACINFAZ, ele afirma que está gostando do trabalho da atual gestão. “Acho que é uma gestão arrojada, que está tentando fazer algumas mudanças grandes e difíceis, mas eu acredito que vai dar certo. Mesmo que lá no final não se consiga chegar a tudo que se pretende, só pelo fato de estar gerando o debate, a aproximação entre diferentes entidades e o Poder Público, já é muito bom, tanto pra Associação como para o município”, completa.

[/vc_column_text][vc_single_image image=”5756″ img_size=”full” alignment=”center”][vc_custom_heading text=”Conrado Carelli” font_container=”tag:h5|font_size:14|text_align:center|color:%23999999″ google_fonts=”font_family:Ubuntu%3A300%2C300italic%2Cregular%2Citalic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic|font_style:400%20regular%3A400%3Anormal” css=”.vc_custom_1515073904186{margin-top: -30px !important;}”][/vc_column][/vc_row]

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.