ACINFAZ Integra o comitê especial de enfretamento à COVID-19

Nesta quarta-feira (03/03), o presidente da ACINFAZ, Gastão Gonchorovski, participou do Comitê Especial de Enfretamento à COVID-19, que tem como objetivo auxiliar as decisões do Executivo Municipal na busca de soluções e estratégias para superar a crise gerada pela pandemia da Covid-19.

Na reunião que marcou o reinicio das atividades do comitê, Tiago Wandscheer, secretário de Desenvolvimento Econômico do município, assumiu a coordenação do grupo.

Para Gonchorovski, o momento exige cautela e cuidados redobrados para que a doença não se prolifere ainda mais, entretanto, acredita que é possível fazê-lo sem o fechamento do comércio, o que pode acarretar em uma crise econômica ainda maior e um crescente número de desempregados: “É extremamente necessário o funcionamento das atividades comerciais, para que o setor produtivo continue sólido e em funcionamento, pois, é possível equilibrar o trabalho com os cuidados necessários”, concluiu.

A ACINFAZ, conforme manifesto publicado aqui em nosso site, acredita e defenderá que a verdadeira solução é imunizar a população, ampliar a fiscalização e o controle, assim como, os investimentos em estudos científicos e em estruturas de saúde. Evitar decretos que determinem o fechamento das atividades empresariais, causam uma desestabilização no mercado, na economia e na geração de empregos.

O comitê de crise, conforme consta no site da prefeitura, volta a se reunir na próxima sexta-feira (05/03).

Créditos de fotos: Caio Szadkoski

PUBLICIDADE

O fechamento de atividades econômicas não é uma saída eficiente

A ACINFAZ – Associação Comercial e Industrial de Fazenda Rio Grande, manifesta neste ato, a sua contrariedade com relação a decretos públicos que proíbam a abertura e o funcionamento de parte das atividades econômicas, neste âmbito, aquelas consideradas “não essenciais”.

É lamentável, fazer com que os mesmos segmentos econômicos novamente sofram com uma determinação que regra o fechamento ao público de suas atividades. Esta carga, não será mais suportada por muitas empresas, sem falarmos daquelas que já deixaram de existir neste último ano, com relação aos estragos ocasionados por este fator da pandemia do Covid-19.

Entendemos que o momento é de instabilidade, que é necessário redobrar ainda mais os cuidados, porém, sacrificar novamente o setor produtivo para esta situação, só irá contribuir com um número ainda maior de desempregados e a consequente redução de renda das famílias.

Lamentamos profundamente as mortes provocadas pela pandemia, mas a economia precisa girar, pois somente desta forma, é que haverá produção, que para produzir serão necessários empregos, onde haverá renda e consequentemente, a geração de impostos, estes, administrados pelo poder público, que devolve em serviços ao cidadão.

Desta forma, não é determinando um fechamento das atividades empresariais, é que teremos o êxito para o problema vivido. Assim, imunizar a população, ampliar a fiscalização e o controle e os investimentos em estruturas de saúde, são elementos fundamentais e necessários para esta situação em que estamos atravessando.

É prioridade que o setor produtivo continue firme e em funcionamento, pois, somente desta forma é que estaremos de fato, contribuindo com responsabilidade social para a nossa sociedade.

É o nosso manifesto!

PUBLICIDADE

ACINFAZ se reúne com prefeito e vereadores para se posicionar frente ao Decreto Municipal nº 5551/2021

No último dia 28 de fevereiro, diretores da ACINFAZ, juntamente com o presidente, Gastão Fabiano Gonchorovski, reuniram-se com os vereadores municipais, secretários e o prefeito, Nassib Kassem Hammad, para a discussão do Decreto Municipal nº 5551/2021, que estabelece o fechamento de atividades econômicas consideradas como não essenciais. O encontro foi organizado pelo presidente da Câmara, vereador Alexandre Tramontina Gravena.

As medidas restritivas para um considerável número de atividades comerciais, foram tomadas de “forma dolorosa”, segundo o prefeito, que entende a necessidade da circulação econômica. No entanto, com o agravamento da ausência de leitos hospitalares preparados para pacientes que contraíram o Covid-19 dentro do Paraná e também por orientação da Secretaria Municipal de Saúde, foi este o motivo do decreto local que acompanhou o pedido do Governo do Estado, por meio do Decreto Estadual 6983.

O presidente da ACINFAZ, em seu pronunciamento, levou as manifestações do setor comercial, aqueles considerados não essenciais, que por força dos decretos, estão com as atividades paralisadas e em consequência disto, o desequilíbrio do fluxo de caixa das empresas e o consequente desemprego que isto pode ocasionar. “É necessário e fundamental que o setor produtivo continue firme e em funcionamento, pois, desta forma é que estaremos contribuindo com a responsabilidade social a sociedade”, concluiu.

Na ocasião, a empresária Angela Nichele, que integra o conselho da entidade, defendeu a abertura e a continuidade das aulas nas escolas particulares, onde segundo ela, estão totalmente preparadas para receber os alunos com todos os protocolos de segurança contra a Covid-19.

Na audiência, ficou aprovada pelos vereadores presentes, a instalação do Comitê de Crise para o acompanhamento as decisões dos decretos e outras medidas, com relação ao enfrentamento do Covid-19. Para o presidente da Câmara Municipal, é muito importante que a rotina comercial esteja em funcionamento, desde que com os devidos cuidados, para que o município não amargue prejuízos futuros.

Créditos de fotos: Caio Szadkoski

PUBLICIDADE

Confira abaixo os decretos com medidas de enfrentamento do COVID-19.

ACESSE OS DECRETOS ABAIXO

ATUALIZADO EM 26/02/2021

ACINFAZ se reúne com o conselho de pastores de Fazenda Rio Grande

A ACINFAZ, através do presidente, Gastão Fabiano Gonchorovski, participou da primeira reunião anual do Conselho de Pastores de Fazenda Rio Grande, na Igreja do Evangelho Quadrangular. O encontro foi presidido pelo pastor Marcio Moreira e reuniu vários líderes do movimento evangélico local, onde também contou com a participação de autoridades municipais.

Créditos de fotos: Samuel de Jesus

PUBLICIDADE

Presidência e diretoria da ACINFAZ se reúnem com o chefe do legislativo municipal, o vereador Alexandre Tramontina Gravena

No último dia 18 de fevereiro, diretores da ACINFAZ, juntamente com o presidente, Gastão Fabiano Gonchorovski, reuniram-se com o chefe do legislativo municipal, o vereador Alexandre Tramontina Gravena. O encontro teve o caráter institucional, no sentido de construir e manter um excelente diálogo entre as instituições, além de parabenizar a mesa diretora da Câmara, eleita no 1º dia do mês de janeiro. Na oportunidade do encontro, temas como o novo censo populacional, a mobilidade urbana, desburocratização, infraestrutura e saúde, compuseram a pauta do encontro. Os presidentes das instituições estabeleceram para as próximas semanas, a construção de uma agenda positiva, para o debate do desenvolvimento socioeconômico local. Participaram do encontro, além dos presidentes das instituições, o vice presidente da ACINFAZ, Haroldo Isaak e os membros diretores, Fernando Melo, Gustavo Vedoveli, Beatriz Alquino, Renata Doná e Delmira Ramos.

PUBLICIDADE

Na reunião de diretoria, foi tratado importante assunto em benefício aos associados

Na manhã do ultimo dia 11, ocorreu a reunião de diretoria da ACINFAZ. Na longa pauta, foram tratados e deliberados vários assuntos de cunho social e econômico, como a ação judicial da ACINFAZ que busca excluir o ICMS da base de cálculo da PIS/COFINS, que transitou em julgado de forma favorável aos associados, muito comemorado pelos diretores. Também, foi aprovada a campanha de incentivo as vendas para o comércio, para o Dia das Mães.
O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Tiago Wandscheer, participou num determinado momento da reunião, a convite da diretoria. Na ocasião, expôs aos presentes, a sua forma de condução de trabalho frente a secretaria e enfatizou a importância da parceria com a ACINFAZ, no desempenho das ações, pois precisam caminhar conjuntamente.
Também, momentaneamente participou da reunião, o deputado federal e líder da bancada paranaense, Antonio Wandscheer, que elogiou o desempenho da ACINFAZ, frente aos desafios do desenvolvimento econômico local. Na oportunidade, trouxe um panorama sobre o Congresso Nacional, além da discussão dos pedágios do Paraná e o seu compromisso em auxiliar Fazenda Rio Grande, na consolidação de bons projetos para o crescimento da região.
Para o presidente da ACINFAZ, Gastão Gonchorovski, o ano de 2021 será de muita atividade para a associação, pois várias decisões importantes para as empresas associadas serão desenvolvidas, que em consequência disto, há uma melhoria significativa no ambiente econômico local.

 
PUBLICIDADE

IBGE comprova recuperação da indústria paranaense em 2020, com perspectiva positiva para 2021

Apesar da queda de 2,6% no acumulado do ano de 2020, indústria paranaense segue se recuperando

A produção industrial paranaense fechou o ano de 2020 com uma queda de 2,6% em comparação a 2019. O resultado negativo já era esperado por conta do impacto da pandemia do novo coronavírus na economia global. Mas, os dados do IBGE, divulgados nesta terça-feira (9 de fevereiro), mostram recuperação da indústria do Estado e apontam para um desempenho positivo em 2021.

O presidente do Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Carlos Valter Martins Pedro, ressalta que a rápida retomada após os primeiros impactos da pandemia se deveu principalmente à diversificação do setor industrial paranaense. “O Paraná possui uma indústria forte e diversificada. Mesmo com alguns setores encontrando mais dificuldades para sair da crise, a maioria das indústrias conseguiu recuperar o dinamismo de seus negócios, minimizando as perdas iniciais e criando perspectivas favoráveis para os próximos meses”, afirma.

Marcelo Alves, economista do Sistema Fiep, explica como foi a oscilação da produção industrial do Estado com a pandemia. “Tivemos dois meses com desempenhos muito ruins em 2020, março e abril, por conta da pandemia. Em maio, a indústria paranaense já começou a se recuperar e seguiu dessa forma até o fim do ano, em um claro movimento de recuperação”, analisa. O bom desempenho da indústria nos outros meses do ano, no entanto, não foi suficiente para recuperar as perdas geradas em função da crise sanitária.

De acordo com os números do IBGE, nos meses de março e abril de 2020, no auge da pandemia de Covid-19, a produção industrial paranaense registrou quedas sucessivas de 4,3% e 28,2%, respectivamente, em comparação aos meses imediatamente anteriores. “Foram resultados muito negativos porque nesses meses houve fechamento de fábricas, paralisação da produção, interrupção das vendas no comércio e queda drástica do consumo”, observa Alves. “Foi um momento de muita apreensão em relação ao cenário futuro não apenas no Brasil, mas em todo o mundo”, lembra.

O desempenho do Paraná ao longo de 2020, embora negativo, com queda de 2,6% na produção industrial, ficou acima da média nacional, que recuou 4,5%. “Foi um ano muito complicado, quase ninguém conseguiu recuperar as perdas acumuladas nos meses de março e abril”, observa o economista. Segundo ele, diante desse cenário, os números comprovam que o Paraná melhorou muito o seu resultado.

Um dado que comprova a velocidade da recuperação no Estado e indica perspectivas positivas para 2021 é o resultado do último mês do ano. Dezembro de 2020 registrou aumento de 2,8% na produção industrial paranaense em comparação ao mês anterior. O crescimento paranaense no período foi superior à média nacional, que ficou em 0,9%.

Política pública 

Para o economista da Fiep, um fator decisivo na velocidade da recuperação da indústria foi a intervenção dos governos (federal e estadual) com políticas públicas. “A ação dos governos, na dilação de prazo de pagamentos de compromissos e o auxílio às empresas com crédito, fez com que se reduzissem as demissões e voltassem as contratações no setor. Por outro lado, o auxílio emergencial foi essencial para a manutenção do consumo”, analisa.

Setores   

De acordo com o IBGE, quatro setores industriais paranaenses, apresentaram resultados positivos em 2020: fabricação de produtos de metal (+14,30%), alimentos (+9,30%), minerais não metálicos (+8,10%) e máquinas e aparelhos elétricos (+8,00%). Outros três setores tiveram resultados muito ruins: automotivo (-32,20%), máquinas e equipamentos (-18,20%) e outros produtos químicos (-8,10%). O setor automotivo, muito embora tenha apresentado boa recuperação no mês de dezembro, foi um dos piores em termos de recuperação no ano e, como é um dos principais da indústria paranaense, impactou fortemente o resultado geral.

O setor de alimentos se destacou pelo bom desempenho no mercado interno e nas exportações, com destaque para frango, óleo de soja e açúcar.

Emprego

Apesar da queda na produção no acumulado do ano, o saldo de empregos foi positivo na indústria do Paraná, com 24.799 vagas. “Em abril tivemos 15 mil demissões e, em maio, 7,4 mil, por conta do fechamento de fábricas e interrupção ou redução na produção em algumas plantas industriais, mas, mesmo assim, no acumulado do ano o saldo foi positivo”, conclui o economista.

Fonte: FIEP

PUBLICIDADE

ACINFAZ recebe o secretário municipal de Esportes do Município

Estiveram em recente visita a ACINFAZ, o secretário municipal de Esportes do Município de Fazenda Rio Grande, Michael Alberto, acompanhado do Diretor Geral, Brunnel Lufti e do professor, Wagner Cutas, que foram recepcionados pelo presidente da ACINFAZ, Gastão Fabiano Gonchorovski.

Na ocasião do encontro, o secretário, comentou sobre as iniciativas que pretende implantar no órgão, onde busca parcerias com o setor produtivo para estas ações futuras.

Para Gonchorovski, o assunto sobre o esporte e o lazer, impacta indiretamente na questão econômica empresarial e é necessário manter um diálogo aberto e permanente com a secretaria, no sentido de organizar informações e auxiliar com decisões que venham a fomentar a melhoria do ambiente produtivo com o foco na qualidade de vida dos munícipes.

 
PUBLICIDADE

E-COMMERCE: VENDENDO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO

O SENAC, instituição parceira da ACINFAZ, fornece cursos online e gratuitos visando o aperfeiçoamento de vendas eletrônicas (e-commerce).

Voltado para empresários, profissionais da área de vendas, compras e gestão comercial, o curso terá carga horário de 42 horas e será realizado via Zoom e Google Meet. O Curso tem vagas limitadas e o período para se candidatar vai até dia 21 de fevereiro de 2021.

Para maiores informações:
Telefone: (41) 3314-5850
WhatsApp: (41) 98532-6981
E-mail: [email protected]

PUBLICIDADE